segunda-feira, 21 de junho de 2010

ATO NACIONAL

sábado, 19 de junho de 2010

Morre Saramago





















Escritor sempre se declarou "comunista" e era crítico ferrenho da política genocida de Israel. Clique na foto para rever algumas das imagens do Nobel da Literatura.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Leia entrevista de Zé Maria ao “A Tribuna”

O jornal A Tribuna publicou em sua edição de hoje uma entrevista com Zé Maria, nosso pré-candidato à presidência da república. O conteúdo completo da entrevista está no blog de política do jornal, o “Nos corredores do poder”. Aproveitamos para publicá-lo aqui com uma pequena correção: Segundo o jornal, ao ser perguntado pelo programa, Zé Maria teria respondido que o “pagamento das dívidas” faria parte do mesmo quando o correto é exatamente o “não pagamento”. Obviamente um erro de grafia do jornal, mas de toda forma segue a entrevista com a correção.

Zé Maria, presidenciável do PSTU

José Maria de Almeida é metalúrgico, tem 52 anos, pai de Gabriel, de 12, e é candidato a presidente da República. Talvez você lembre dele da propaganda eleitoral na TV. Ele se apresenta como Zé Maria e disputou esse cargo outras duas vezes, em 1998 e em 2002, quando entoou o bordão do partido: “Contra burguês, vote 16”.

16 é o número do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU). A legenda nasceu em 1994 e tem, entre os fundadores, vários ex-petistas, descontentes com os rumos do partido da estrela vermelha. Zé Maria conhece bem o presidente Lula. Ficou preso com ele, na década de 70.

O presidenciável esteve em Santos no fim de semana participando do Congresso da Classe Trabalhadora (Conclat).

Por que não ocorreu a coligação do PSTU com outros partidos de esquerda?
Nós queríamos fazer. Propusemos desde agosto do ano passado, mas não conseguimos um acordo sobre o programa e sobre o critério de financiamento de campanha. Quando o PSOL procurou a Marina Silva (PV) para fazer coligação no ano passado, sinalizou para nós uma discordância de programa muito grande. Porque, para nós, a candidatura implica na defesa de um programa socialista para o País. E a Marina defende a continuidade do modelo econômico que está aí, como ela diz reiteradas vezes.

Mas no passado o PSTU apoiou o PSOL...
Fizemos a coligação com o PSOL porque construímos um acordo programático que era aceitável para os dois partidos. Então, na medida em que a Marina não aceitou fazer a aliança com o PSOL, retomamos o debate sobre o programa, mas a decisão do PSOL, que lançou agora a pré-candidatura do Plínio de Arruda Sampaio, é diferenciada do programa que o PSTU defende.

E qual é esse programa?
Nós achamos que um programa socialista pressupõe não pagar a dívida interna e externa, estatizar os bancos e o sistema financeiro, estatizar as grandes empresas, romper com o Fundo Monetário Internacional (FMI), estatizar o latifúndio, o agronegócio, as empresas que exploram os recursos naturais do País como a Vale do Rio Doce e reestatizar a Petrobras, porque ela vem sendo privatizada. São medidas que, na nossa opinião, são essenciais para que os recursos que o Brasil tem e a riqueza produzida pelo trabalho possam ser utilizados para atender a necessidade do povo. Sem isso, não muda o Brasil. E o pessoal acha que essas medidas são radicais demais. Vão no contrassenso do senso comum das pessoas. E há razão nisso. Vão mesmo. Só que eles valorizam muito essa relação com o senso comum para eleger o deputado. Nós também queremos eleger deputados, mas sem deixar de dizer a verdade para as pessoas. Hoje não temos deputados porque priorizamos esse tipo de campanha, para dizer o que o Brasil precisa fazer para mudar e o que o povo tem que fazer para que essa mudança ocorra.

O fato de o PSTU não receber dinheiro de empresas para a campanha ajudou a afastar aliados?
Esse é outro tema fundamental da nossa campanha. Não aceitamos dinheiro de empresas. Fazemos a campanha com a contribuição da própria militância, de trabalhadores e de jovens que concordam com o PSTU. Obviamente fazendo uma campanha muito mais modesta do que a deles. Nossa campanha não vai custar R$ 250 milhões, que os comandos do PT e do PSDB estão dizendo que vão custar suas campanhas. Vai custar, provavelmente, R$ 250 mil. É o que vamos conseguir arrecadar. Nós dependemos da ajuda dos trabalhadores, que não têm dinheiro para ficar gastando em campanha eleitoral.

Como o senhor analisa os gastos das outras campanhas?
O José Serra também não tem R$ 250 milhões para gastar. Nem a Dilma Rousseff. Como eles recolhem esse dinheiro? Eles recolhem com os bancos, com as empreiteiras, com as grandes empresas. E depois, quando ganham, governam para quem? Para os bancos, para as empreiteiras. Por isso que nós não aceitamos esse tipo de doação.

O governo, então, começa na campanha?
Sim. Os empresários fazem um investimento. Eles pagam a campanha do candidato e, depois, a autoridade eleita governa para eles, e não para o povo.

O senhor citou algumas ideias que muitos leram nos livros, quando estudaram. o que, de novo, o socialismo apresenta?
O problema é que essas mudanças são a base de uma sociedade igualitária que o País precisa. Infelizmente nunca tivemos isso no nosso País. Nosso País é a oitava economia do mundo, deve ser a quinta economia do planeta. É muito rico. Tem plenas condições de prover tudo que o povo precisa para ter uma vida digna, mas nós vivemos nessa condição de desigualdade. A primeira condição para mudar é exatamente isto: abolir a propriedade privada, colocar os recursos e a riqueza do País a serviço das necessidades do povo. A segunda fundamental tem a ver com a forma de governar.

E como deve ser?
Não pode ser como se governa agora, com deputados, governadores e presidente sendo eleitos financiados pelos bancos. Nós temos que construir instituições para o povo governar o Brasil. E é o povo governando o Brasil que vai criar as condições para mudar o País. Queremos levar para o processo eleitoral essa ideia. A classe trabalhadora brasileira acalentou, no final da década de 70, com a construção do PT, com a projeção do Lula, o sonho que ela poderia governar o Brasil. E governando o Brasil, mudar a prioridade, fazer com que no País a prioridade fosse o povo, e não o banqueiro. O Lula, para chegar ao Governo, abandonou essa ideia e fez um acordo com os bancos, com as grandes empresas e está fazendo um governo que mantém as mesmas prioridades de antes. Nós queremos resgatar aquele sonho da classe trabalhadora governando o País não com o banqueiro, mas contra ele.

O PSTU não reconhece avanços nos programas sociais do Governo Lula?
Não. Vou te dar dois exemplos, que o Governo mesmo costuma apontar como pontos fortes: o salário mínimo aumentou 57% em sete anos e meio, o Lula apresenta isso como grande vantagem. Nós não achamos que seja. Por que? Porque o lucro das grandes empresas, nesse mesmo período, aumentou 400%. Os bancos aumentaram a rentabilidade em 850%. Pergunto para você: por que o salário mínimo não aumentou 850%, ao invés de 57%? Porque a prioridade, na alocação da riqueza que o Brasil produziu nesses anos, foi para o banco. Esse é o resultado da política que o Lula aplicou. Veja o Bolsa Família: o Governo se orgulha, se apresenta no mundo todo como campeão do combate à pobreza. O Bolsa Família atende 12 milhões de pessoas e gasta R$ 12 bilhões, R$ 13 bilhões por ano. São 44 milhões de brasileiros que dependem disso. O Bolsa Família é uma ajuda, que varia de R$ 90,00 a R$ 130,00, para que uma família viva. O Lula gasta mais de R$ 130,00 por dia, com ele só. Como ele quer que uma família viva com R$ 130,00 por mês? O Brasil é um País rico, poderia e deveria assegurar a essas famílias emprego, salário digno, moradia digna, acesso à saúde, à educação pública. É isso que essas famílias merecem e não R$ 130,00 por mês. E o Brasil pode atender a essas necessidades se deixar de priorizar as empresas. O Governo está ajudando as fábricas de carro do País a vender desde o final de 2008. São algumas das fábricas mais ricas do mundo, que recebem recursos públicos.

O senhor falou da necessidade de reestatizar a Petrobras, mas hoje os indicadores internacionais a apontam como uma das principais empresas do mundo. com maior controle governamental, ela não pode perder competitividade?
Não. Ela vai ser maior do que é. A riqueza de petróleo que nosso País tem é enorme. Agora com o pré-sal, mais ainda. Qual o problema? Os donos da Petrobras hoje são os fundos de investimento dos Estados Unidos. Mais de 40% das ações são negociadas lá e eles controlam a administração da empresa. É uma empresa riquíssima, que funciona em função de que? Para alocar essa riqueza para atender as necessidades do povo? Não. É para mandar lucro para Nova Iorque, para os fundos de investimentos, que são os donos das ações da empresa. A discussão hoje no Congresso Nacional é sobre os royalties. O que vamos fazer com os royalties? Vão para o Rio de Janeiro? Vão ser distribuídos para todo o País? São 5% da renda do petróleo que eles estão discutindo. E os outros 95%? Vão continuar sendo apropriados pelos acionistas da Petrobras? Ou são do povo brasileiro? Nós achamos que têm de ser do povo brasileiro 100% da renda do petróleo. Para isso, a empresa precisa ser estatal. Para isso, ela não pode ser administrada em consonância com os interesses dos fundos de investimentos americano. Tem de ser administrada em função dos interesses brasileiros.

Esse discurso vale para outras empresas?
Vamos ter de reestatizar a Vale do Rio Doce. Os minérios que a Vale explora em nosso País são de importância estratégica ilimitada. A empresa lucra mais de R$ 20 bilhões por ano. Vai para onde esse dinheiro? Para os mesmos fundos de investimentos que são donos da Petrobras, que são os donos das ações da Embraer. A riqueza produzida aqui é remetida lá para fora.

Uma das propostas do PSTU é para que a população escolha os representantes do judiciário e da polícia. O senhor acha que o Brasil está maduro para essas medidas?
Eu acho que o Brasil não pode suportar mais a bandalheira que são os sistemas policial e judiciário do País. O crescimento e a predominância do narcotráfico e do crime organizado na vida social das periferias das grandes cidades seria impossível sem a conivência da polícia ou do Judiciário. Impossível. Todos os dias surgem escândalos. É justamente essa estrutura antidemocrática que permite essa situação. A população toda é vítima de uma violência infernal, e a nossa juventude, que mora na periferia, ora é vítima da violência do narcotráfico, ora é vítima da violência da própria polícia, que entra na favela atirando e matando as pessoas só porque são negras e pobres. Isso é inaceitável. Isso só existe porque ninguém controla a polícia. Ou, quando controla, é o próprio narcotráfico que controla. Tem que mudar. A mesma coisa o Judiciário. Como o juiz se dá o direito de decidir as coisas que decide, sempre a favor do rico, sem que ninguém possa contestar? Por que? Nós achamos que tem que mudar. A Justiça é um dos serviços mais importantes que a população tem de ter acesso.

O senhor conheceu bem o Lula, na década de 70. Qual a principal mudança do Lula da década de 70 e hoje, como presidente da República?
Estivemos presos juntos. Ideologicamente, com franqueza, o Lula sempre isso que ele é hoje. Na cabeça dele, desde aquela época, ele queria ser presidente da República. Ele nunca teve compromisso com mudança, de fundo, da estrutura econômica e social do País. Quando a gente perguntava para ele, naquela época: você é marxista? Você é socialista? Ele brincava: eu sou torneiro mecânico. Que é uma forma de desqualificar a experiência histórica da classe trabalhadora e o debate político. Ficava fazendo brincadeira para não assumir nenhum compromisso de conteúdo. Ele, naquele momento, lutava ao lado dos trabalhadores porque estava vinculado ao processo de lutas. Isso mudou. Ele se afastou do processo e, para poder realizar o sonho de ser presidente da República, ele fez aliança com o grande empresariado e com os banqueiros. E está fazendo um governo para os grandes empresários e banqueiros, virando as costas para aquilo que era o sonho dos trabalhadores que o elegeram, que era mudar o País, inverter a prioridade nesse País. Isso o Lula ignora solenemente hoje.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Lute: Frota terrorista?


segunda-feira, 24 de maio de 2010

Nova Greve geral pára a Grécia contra cortes nos salários e previdência

Trabalhadores saíram novamente às ruas nesse dia 20 de maio contra o pacote de cortes imposto pelo governo, UE e FMI


Da redação








Manifestantes enfrentam política durante protestos

• Os números são desencontrados. Alguns afirmam ser esta a quinta greve geral vivida pela Grécia só neste ano. Outros, dizem ser a quarta, ou a sexta. O fato é que o país parou novamente nesse dia 20 de maio, em mais um dia de greve e mobilizações contra o pacote de cortes e arrocho imposto pelo governo. A última greve geral ocorrera em 5 de maio e levou centenas de milhares às ruas.

Os principais serviços públicos, como transportes, hospitais e escolas permaneceram todo o dia fechados. Pontos turísticos como a Acrópole ficaram fechados. Apenas o transporte público funcionou no início do dia, mas para levar os manifestantes aos locais das mobilizações. E de novo, milhares de pessoas foram às ruas protestar contra o conjunto de ataques do governo, como a reforma da previdência que eleva a idade de aposentadoria e o corte e congelamento nos salários do funcionalismo público e aposentados.

Os gregos se mobilizaram aos gritos de “tirem as mãos de nossas pensões”, “eles nos roubaram, assim que não pagaremos” ou “fora os abutres do FMI”. Assim como fizeram no dia 5, os manifestantes cercaram o prédio do parlamento. “Desobedeça, desobedeça, fora do parlamento todo o dia”, diziam, ao mesmo tempo em que xingavam os políticos de “ladrões”.

Escalada
A repressão desencadeada na jornada de mobilizações do dia 5 não foi o suficiente para impedir o novo dia de greve geral. Na ocasião, a polícia e o governo do “socialista” George Papandreou tentaram utilizar três mortes ocorridas durante as manifestações para criminalizar os protestos. As mobilizações, porém, só aumentam a cada dia, assim como a indignação do povo grego contra o pacote de cortes

Para se ter uma ideia da disposição de luta do povo grego, basta afirmar que as duas principais centrais sindicais que convocam as paralisações, a Adedy e a GSEE, que reúnem respectivamente os trabalhadores públicos e privados, são dirigidas por setores próximos ao Pasouk, partido do governo. Mas estão sendo empurrados para as mobilizações pela pressão dos trabalhadores. Grande parte das mobilizações são espontâneas, impulsionadas pelo rechaço do povo grego à política aos cortes impostos pelo governo, sob a pressão do FMI e da União Europeia.

O presidente Papandreou, que visitava o Líbano no dia, declarou cinicamente à imprensa que simpatizava com muitos dos manifestantes. “O povo grego está compreensivelmente expressando seu ponto de vista sobre a crise econômica”, disse. O presidente é uma das principais vozes a favor dos cortes, cumprindo a risca todas as determinações do FMI. “Mas também sabemos que precisamos seguir com nossas mudanças para fazer do país uma economia viável e competitiva”.

O que ele chama de “mudanças” é um ataque brutal aos salários, previdência e direitos socais, e “competitivo”, por sua vez, nada mais é que o sinônimo para um mercado de trabalho com salários baixíssimos, que seja atraente aos investidores internacionais.

Os olhos do mundo sobre a Grécia
A Grécia vem se tornando um exemplo aos trabalhadores de todo o mundo. A resistência contra a política de cortes já dura há meses e vem se intensificando com a aprovação do pacote de “austeridade”, contrapartida do país à “ajuda” equivalente a 140 bilhões de dólares da UE e FMI.

A luta na Grécia também se espalha pelo resto da Europa em crise. No próximo dia 2 de junho é a vez de a Espanha parar em uma greve geral contra o seu pacote de cortes. Se a política dos governos da Europa é praticamente a mesma para enfrentar a crise, os trabalhadores também respondem a esses ataques com uma mesma voz: a luta.

Fonte: http://www.pstu.org.br/

Os convocados de Dunga: Dos 23, apenas 3 jogam no Brasil

Fonte: http://www.pstu.org.br/

O G1 publicou semana passada um interessante artigo falando acerca dos convocados de Dunga. Vinte dos 23 não jogam no Brasil, alguns deles há 9 anos (Lúcio) ou 8 anos (Gilberto Silva, Daniel Alves, Juan).

No artigo é possível ler o comentário do cineasta Carlos Asbeg que afirma que:

“O Brasil continua com o mesmo modelo econômico de colônia, vendendo matéria-prima para depois comprar a manufatura. Nós vendemos os melhores jogadores do mundo e compramos a transmissão dos campeonatos chatíssimos da Alemanha e da Espanha. Quando teremos uma partida como aquele Santos e Santo André, por exemplo, num campeonato europeu?”


Leia: AQUI

quinta-feira, 6 de maio de 2010

PSTU lança suas pré-candidaturas, nesta sexta, dia 07, em Belém.

Lançamento será no clube Monte Líbano às 19 horas com a presença de Zé Maria, pré-candidato do PSTU a presidente.
O PSTU lança o nome de José Maria de Almeida, o Zé Maria, como alternativa para eleição de 2010. O lançamento em Belém será nesta sexta, 07, a partir das 19h, no Clube Monte Líbano (São Brás). Além do lançamento da pré-candidatura de Zé Maria, haverá também os lançamentos das pré-candidaturas dos candidatos às eleições estaduais, como o lançamento da pré-candidatura de Cléber Rabelo, operário da construção civil, a governador do estado.
Iguais – Há anos, o país tem assistido uma falsa polarização entre governo e oposição de direita. PT e PSDB-DEM parecem diferentes, mas atuam em nome das empresas, dos bancos e do agronegócio. “Dilma e Serra representam o mesmo. Baixos salários e aumento do ritmo de trabalho, para garantir ganhos recordes e a remessa de lucros ao exterior”, afirma Zé Maria.

Para Zé Maria, Marina Silva aparece como algo novo, mas também representa a continuidade. Não propõe a ruptura com o imperialismo nem com o modelo neoliberal. Defende a ecologia, mas enquanto ministra, ocorreram os dois maiores retrocessos das últimas décadas: a liberação dos transgênicos e a transposição do São Francisco. “O desenvolvimento sustentável que ela propõe é uma ilusão, pois esbarra no lucro das empresas e multinacionais. É o mesmo que dizia Lula em 2002. Mas não há como defender o meio ambiente sem enfrentar empresas como a Vale. E sem lutar contra o capitalismo”, afirma.

ALTERNATIVA OPERÁRIA E SOCIALISTA – O novo nestas eleições é a pré-candidatura de um operário socialista. Como alternativa a Dilma, Serra e Marina, propomos a pré-candidatura de Zé Maria com um programa socialista. Para defender os trabalhadores, é preciso romper com o imperialismo, expropriar as multinacionais e os bancos. Só assim haverá saúde e educação gratuitas e de qualidade, salário e emprego.

Zé Maria é um operário com a mesma origem de Lula, nas greves do ABC. Não por acaso, estiveram presos juntos em 1980. Mas Zé Maria se manteve na luta e não se vendeu. Sua trajetória está ligada à classe operária e é um dos dirigentes da Conlutas. Pelo PSTU, disputou a Presidência em 2002, quando recebeu mais de 400 mil votos.

Declaração do PSTU sobre a frente de esquerda – O PSTU por acreditar que seria positiva e importante a construção de uma frente de esquerda, classista e socialista, que envolvesse PSTU, PSOL e PCB para as eleições deste ano, apresentou em agosto do ano passado, publicamente, esta proposta ao PSOL. Depois de meses sem nenhuma resposta à proposta que fizemos, fomos informados pela imprensa, em novembro passado, de decisão da direção do PSOL de buscar um acordo eleitoral para apoiar a candidatura de Marina Silva à presidência da República. Depois do acordo com Marina ter fracassado, o PSOL, a partir de suas correntes, lançou as pré-candidaturas de Plínio de Arruda Sampaio e Martiniano Alencar para presidente. Infelizmente, esta frente, não se concretizou pelos problemas internos que sofreu e vem sofrendo o PSOL neste último período que culminou no lançamento da candidatura de Plínio de Arruda Sampaio, em uma disputa tumultuada, com acusações de roubo de site e fraude dos dois lados. Em nossa opinião, a obrigação dos nossos partidos neste processo é centrarmos nossas forças no combate às alternativas burguesas, tenham elas o nome Dilma, Serra ou Marina.
É nisto que o PSTU pretende se concentrar nos próximos meses.

ASSESSORIA
(entrevistas, fotografias, vídeos e sonoras)

Em Belém Wellingta Macedo (PSTU Belém)
(91) 3246.7841 / 8885.2220
wellingtamacedo@hotmail.com

CONTATO
Zé Maria – (11) 6792-2304